sexta-feira, 21 de Novembro de 2014

Lelolelolelo@.pt

Ficou muito mal na fotografia a bancada parlamentar do PS quando deu luz verde para serem repostas as subvenções vitalícias, sem que, previamente ou em simultâneo, tratasse de outras questões muito mais graves que afetam milhares de pessoas que (pelo facto de o Estado deixar de ser pessoa de bem, pela mão do atual governo) são obrigados a viver em situações de pobreza, sem que lhes possa ser imputada a mais pequena culpa pela situação drástica em que vivem. Para proteger os “tubarões” o desgoverno virou-se para o “peixe pequeno”, encarcerando-o numa malha (com entrada de reduzida dimensão) especificamente construída para o capturar...
Tal como o faz relativamente aos compromissos externos, Portugal tem que honrar os seus compromissos internos, mas calma aí (meus abigoiros), depois dos atropelos cometidos por Passos e Portas não me parece sensato tentar começar por resolver o problema das subvenções vitalícias dos senhores deputados...
Concordo com a minha vizinha que diz que o deputado Lelo não reúne as condições mínimas para a função, mas cade aquela meia dúzia de democratas sensatos que existem na bancada parlamentar do PS? (ou já não há lá disso?)
Não foram capazes de suster a avalanche de irresponsáveis que estão ali só para levantar o braço, dormir ou fazer disparates, mas valem um voto?
Muito sinceramente penso que o deputado Lelo devia, mas era, ir trabalhar para a estiva, porque tem bom cabedal para isso! Quanto aos outros...quem cala, consente! E isso choca-me profundamente!
A retirada da proposta pelos autores (Lelo do psinho e Couto do psdinho) apenas reforça a minha convicção de que na Assembleia da República faz-se tudo, menos cuidar dos cidadãos e do País!
Ou arrepiamos caminho e começamos a escolher os responsáveis dos Partidos por competência e mérito, ou não tardará muito tempo para que só os políticos acreditem nas suas politiquices!
Fazer propostas para as retirar no dia seguinte é descer ao mais baixo nível! Compreendo agora a tia Zefa (analfabeta mas sábia) quando dizia que o único Bem que alguma “gente” podia fazer ao Mundo era...não ter nascido!


sábado, 15 de Novembro de 2014

Goldgate

Afinal o que tem que fazer um ladrão
Para ir bater com os costados na prisão?
O que devia acontecer a um dignitário
Que se transforma em falsário?
Estamos a caminho da loucura coletiva, ao mais alto nível da Nação?
Qual o vírus que ataca as chefias da Política, do Estado e da Administração?
É a corrupção?
Eu digo que sim, mas há quem diga que não!

Há quem diga que é a ganância
Nascida da “fraqueza” da Primeira Instância!
Há quem fale de cleptomania
Que vem “anexada à Democracia”
Há quem chame “negócio” de alto risco
Às “lavagens” e às fugas ao Fisco...
Há quem defenda as offshores
Pudera! – É só “ladrodoutores”!

Mesmo com esta escalada de corruptos
Não podemos dar razão aos “putos”
Que dizem que não querem estudar
Porque é mais rentável aprender a roubar!
Esta cambada de mentecaptos sem sentimento
Há de um dia ir parar atrás do “gradeamento”
Por mais que os grandes gabinetes de advogados

Tentem demonstrar que não são culpados!

S(I)S

O facto de o líder do SIS ser apanhado pela PJ, com a boca na botija, a tentar eliminar escutas no gabinete do presidente do Instituto do Registo e Notariado dá-nos uma ideia do estado calamitoso em que vivemos. A podridão é tanta que tresanda por tudo o que é sítio!
Não é preciso ser muito inteligente para perceber que a dificuldade em combater a corrupção, em Portugal, se deve ao facto de nela estarem envolvidas “altas esferas” que obrigam o “comboio a parar antes da estação onde costumam apear-se”, mas o escândalo dos vistos Gold, ultrapassa as previsões mais pessimistas. O “pedigree da casta” envolvida faz o esterco cheirar mal demais! Ninguém, de bem, aguenta este fedor!
Não sei por que razão ainda não apareceu um qualquer “arauto” das cúpulas partidárias situacionistas a dizer que “aquilo, são infiltrados de esquerda!” (estou em crer que não faltará muito)
Seja como for, ande por onde andar, dê por onde der, penso que tudo isto vai acabar num “mal-entendido”, com muitos dos agora falados a serem condecorados por relevantes serviços prestados à Nação...e não se fala mais nisso! (A nós que conhecemos, ouvimos e lemos as “histórias” de impoluta “gentalha” já nada espanta).
Tudo vai continuar sob proteção da Virgem! Os Portugueses são assim! Querem ver os ladrões todos na prisão, mas quando algum é apanhado, até ficam com pena e dizem:- coitado, ele fez isso?! (A direita não desgoverna só o nosso dinheiro, desgoverna também as nossas consciências.)



quinta-feira, 6 de Novembro de 2014

As “pinturas” do Governo

O Governo “pintou” menos de 700.000 desempregados no final do terceiro trimestre. O ministro que tutela a área veio vangloriar-se com uma diminuição do desemprego, muito provavelmente referindo-se aos seus familiares, pois os valores reais do desemprego são muito superiores, situando-se à volta de 1.200.000 de portugueses.
É com falsidades deste tipo que o PSD/PP se prepara para voltar a governar, sabendo que os portugueses têm memória curta e a oposição ainda não conseguiu mostrar credibilidade suficiente para inverter o sentido de voto de muitos Portugueses.
A “blasfémia” de Ferro Rodrigues acerca da reformulação da dívida, criou um “efeito balsâmico” nas hostes dos partidos do Governo. (Não esperava outra coisa depois da “renovação” de António Costa!)
Voltando ao governo, considero-o sem capacidade para gerir o País. Portugal parece uma “anedota”, tais são as “tiradas” de ministros, a começar no 1º ministro e a acabar na ministra das finanças (em quem a Europa já não acredita, depois de tantos falhanços que nos atiraram para o “charco”).
O primeiro-ministro disfarça bem
É um dom que herdou de alguém...
O vice não mente, falseia
É o lobo bom da alcateia!
O ministro dos Estrangeiros é um devaneio
O que ele gosta é de passeio!
O ministro da defesa
É uma tristeza!
O ministro da Administração Interna
Não se enxerga fora da “caserna”!
A ministra da Justiça recria
Coisa assim há muito não se via!
A ministra da Agricultura
É demagogia pura!
O ministro da Economia mente
Dez mentiras com cada dente
O ministro da Energia inventa
Já ninguém o aguenta
O ministro da Educação
Hoje sim, amanhã não!
O ministro do Emprego e da Solidariedade
Uma verdadeira calamidade!
O ministro da Saúde
Já poucos são os que ilude!
O ministro do desenvolvimento Regional
Só conhece Lisboa e o litoral!
O ministro dos Assuntos Parlamentares
Está à altura dos seus pares!


Post Scriptum
Vou votar no PS, porque pior que o atual Governo é impossível, mas não tenho a certeza que irão fazer muito melhor! É notório o vazio de ideias para o futuro do País! O que se pede aos “responsáveis máximos do PS é que se deixem de tretas e analisem e divulguem a posição do Partido acerca das grandes questões nacionais, como sejam a dívida, o desemprego, o esvaziamento e empobrecimento do Estado e do País, Os Fundos Europeus, o Estado Social, a Educação e a Saúde..., mas não se fiquem por generalidades! Concretizem, porque, em minha opinião, só assim se ganha a confiança do eleitorado.
Para palavreado já nos basta o de Portas Coelho!


A violência anda por aí...

Violência da guerra
A violência da guerra é hoje encarada com naturalidade, porque os senhores da guerra, são pessoas “respeitáveis” que “elegem” chefes de estado, senadores, parlamentares e outras altas “entidades”...tudo justificado pela necessidade de fazer guerra pela Paz”!
Estamos num labirinto sem saída, onde alguns ainda sobrevivem em segurança...
Até quando? – Não sei!
A violência, que começa nos desenhos animados com que encharcamos as nossas crianças, é algo a que somos (já) insensíveis! Faz parte do nosso quotidiano
O homem, com tudo o que inventa e constrói, graças à sua privilegiada inteligência, em termos de humanidade tornou-se muito inferior ao macaco... É incapaz de arranjar forma de erradicar a fome e a miséria, mas é capaz de “arrasar” uma cidade em poucos segundos!
A minha “revolta” contra Deus deve-se ao facto de não conseguir compreender que culpa têm as crianças da Síria, do Iraque e de tantos outros lugares, de terem nascido ali.

Violência no Desporto
A violência no Desporto, que comparada com todas as formas de violência física e psíquica que diariamente acontecem, é uma insignificância, não deixa, no entanto, de ser grave, uma vez que o ideal do desporto é a promoção da convivência sã entre as pessoas e entre as nações!
Podem dizer-me que a competição desportiva profissional desportiva não tem nada a ver com o ideal Olímpico, mas então deixem de lhe chamar Desporto e chamem-lhe uma merda qualquer... que não permita confusões!
O que está a acontecer nos nossos no Desporto (com destaque para o Futebol, porque cá no burgo é Rei) é grave e em nada dignifica os diversos intervenientes. O nosso Futebol é feito de intrigas, notícias, conferências, debates, joguinhos... para “incendiar” a populaça”! Dentro e fora dos campos de futebol temos assistido a um conjunto de ações reprováveis, que não podem continuar a ficar impunes.
Os dirigentes desportivos não são alheios à violência no nosso Futebol. Basta estar atento às afirmações dos presidentes dos principais Clubes para avaliarmos o quilate desta gente!
Das claques nem merece a pena falar!

Violência doméstica
Li algures que há mais de 500 reclusos a cumprir pena por violência doméstica! Penso que não será exagero dizer que os casos muito graves, que originariam prisão, podem ser multiplicados por 20, o que significa que 10.000 homens e mulheres deviam estar atrás das grades, a cumprir pena.
É uma vergonha nacional!
A maior parte das vezes existem menores metidos nesta embrulhada, o que nos obriga a meditar nos graves problemas sociais que envolvem crianças e jovens, cuja “culpa” foi não terem pedido para não nascer!
Em Portugal, a dimensão do problema é aflitiva, porque a esmagadora maioria dos casos não são comunicados às autoridades competentes, havendo famílias que vivem sob ameaça de violência física e psíquica a vida inteira.
Anda para aí muito “boa” e rica gente a fingir!
Quem agride finge que é pessoa de bem
Quem é agredido, finge também!
Parece uma vida bela e feliz
Porque quem sofre não diz!




segunda-feira, 3 de Novembro de 2014

Fingir...

Os ricos adoram fingir que não é bem assim...
Às vezes até dizem: - pobre de mim!
As crianças pobres fingem que são ricas
E só comem bifes com batatas fritas!
As velhas ricas fingem...com botox às carradas
E perfume às toneladas
Fingem que são novas, mas...coitadas!

Os velhotes fingem que são novos, cheios de tusa...
Fingem que f... até “encher a blusa”!
Os bispos e os padres fingem que são Santos
Mas “pecam” por todos os cantos...
A Justiça finge isenção
Mas só os pobres é que para “lá”vão!
Os governantes fingem que são sensíveis
Mas só fazem m...a todos os níveis!
Os advogados, reis da manha
Fingem até ao fim que a causa está ganha!


Fingem-se os orgasmos
Com uma gritaria sem espasmos
Os deputados fingem que tudo marcha bem
E sem pudor, servem (e servem-se) os filhos da “mãe”...
As donzelas da alta-roda
Quando as convidam para uma f...
Fingem que são virgens imaculadas
E arregalam os olhos, espantadas...

Os falsários fingem que são sérios
E até invocam os santos mistérios!
Muitos fingem que temem ao Senhor
Mas é só para viverem melhor...

Finge o especulador e o agiota
Mas fingem tão bem, que quase não se nota!
Finge a freira e a meretriz
Uma pelo que faz outra pelo que diz...
Finge o licenciado, o mestre e o doutor
Quando dizem que o saber não tem valor...
Fingem os beneméritos e os sem-abrigo
Quando veem um no outro, um amigo!
Finge o diplomata e o embaixador
Finge o poeta e o pintor
Finge o acrobata e o equilibrista
Finge o analfabeto e o artista!
Fingem os namorados e os amantes
Quando dizem coisas estonteantes...

Finge o branco, o preto e o mulato
Com fome, até finge o palato!
Fingem os sentidos um a um
Finge a gula quando faz jejum!
Finge a Natureza e a Sociedade
Finge o silêncio e até a saudade...
Fingem as bruxas e os feiticeiros
Fingem as fufas e os paneleiros
Um terço do tempo é a fingir
Porque o passamos a dormir!



domingo, 2 de Novembro de 2014

Manifesto

Encarar com coragem a existência
Não confundir” loucura” com demência
Lutar, lutar...até mais não
Recusar ficar caídos no chão...

Rasgar os rótulos...símbolos do nada
E os catálogos, muitas vezes mentira disfarçada
Combater a hipocrisia, arma dos fracos
E a arrogância, trunfo dos mentecaptos!

Recusar ter que continuar a ouvir
Os “feiticeiros do poder” a “carpir”
Sempre, sempre a favor da plebe...

Que Deus os chame à Sua Glória!
Que reduza a pó a sua História!

E que a terra lhes seja leve!