terça-feira, 25 de julho de 2017

DESNORTEADOS

DESNORTEADOS
Por Celo Neto

A direita
Não está desfeita
Anda contrafeita
E desnorteada
Porque não consegue fazer nada
Contra quem reduziu as suas teses
A malcheirosas fezes…

Diarreias mentais
Parecidas ou iguais
Às de Passos e Cristas
Nunca foram vistas!
A vergonhosa ação de tudo maldizer
Não para de crescer…
O aproveitamento político da desgraça alheia
É uma coisa muito feia!
Uma infeliz ideia!

Será que estes incêndios, todos e cadeia
Nada têm a ver com a sua lamentável verborreia?
Acirrar ódios, inventar “cenários”
Tem perigos vários…
É um possível “motivo” para os incendiários!

O PSD/PP anda de cabeça perdida
Quer meter Portugal num beco sem saída…
Agita fantasmas na comunicação social
Para tentar fazer parecer que tudo está mal…

Felizmente
A realidade é bem diferente!

Existem muitos indicadores favoráveis ao Governo
Mas a comunicação social privilegia o “inferno”
Escândalos, desgraças e “sangue” é que vendem bem
É um dos problemas que Portugal tem!
Alguns jornalistas e pivots
Mais parecem “cassetes” e robots…
Veem coisas que ninguém viu
Ao lado de quem mente e sempre mentiu…

Cheios de raiva… mentecaptos ruins
Não olham aos meios para atingir os fins!

Sinto uma tristeza imensa dentro de mim
Ao ver que ainda há “vampiros” assim…
Oxalá que as próximas eleições
Metam no lugar estes charlatões…

Peço à geringonça que governe bem
Sem hostilizar ninguém…
Que respeite as pessoas que a direita tem
E que não dê tréguas aos “filhos da mãe” …

Quem comete crimes graves
Tem que ir parar atrás das grades
Não pode haver impunidade
Para quem age com maldade…

Passos e Cristas vão passar à história
Como “assuntos” de triste memória
Lá mais para a frente se saberá quem são os seus sucessores
Que têm que aparecer como salvadores…
É por isso que ainda estorricam em lume brando
Com mais um “frango”
A aparecer de vez em quando…
Para  justificar e manter o “carvão” aceso

Até ao próximo “defeso”…

domingo, 23 de julho de 2017

PELA PAZ


PELA PAZ
Por Celso Neto

A fraqueza humana atingiu um nível
Em que a Paz mundial é quase impossível
Por um motivo ou pelo inverso
A guerra é uma “moeda” sem reverso!
Não há mãos a medir para a destruição
Cada um reclama para si a razão!

Com a invenção e proliferação das armas nucleares
Qualquer dia vai tudo pelos ares!
A não ser que haja uma “revolução mental”
Em que o Homem passe a rejeitar o mal
Não se vergue à força do grande capital
Considere o semelhante um “igual”
E não veja em cada “diferente” um rival…

Exibidores de divisas e galões
Ostentam medalhas e medalhões
Exibem louvores e condecorações
Enchem os écrans das televisões…
Mas para que a Paz possa existir
O ser humano tem que descobrir
Novas maneiras de sentir!

Falar de Paz e Insistir no reforço do armamento
É semear ilusões ao vento
É tornar tudo pior que antes…

Para benefício  e ao serviço dos gigantes!

quinta-feira, 20 de julho de 2017

A DESGRAÇA EM DIRETO

A DESGRAÇA EM DIRETO
Por Celso Neto
Não sinto pela desgraça alheia qualquer afeto
Detesto ver tragédias em direto 
(E em diferido também)
O mediatismo não me sabe bem!
Não me obriguem a gostar do que não quero
Ou a valorizar o que para mim é zero!
Não venham os pantomineiros do costume
Despejar raiva, dor de cotovelo ou ciúme
Tentando convencer-nos que é pelo nosso bem
Que tentam ir sempre mais além…
Não me venham falar em “lei da rolha”
(Entre vaidade e arrogância venha o diabo e escolha)
Aproveitar-se da desgraça é oportunismo
De quem tem sede de protagonismo
A procura de “sangue quente”
Provoca-me vómitos… põe-me doente!
Sou a favor da liberdade de informação
Mas… esta impunidade televisiva: - Não!
Não acredito que a tragédia em direto na TV
Melhore o que quer que seja… (não sei por quê!)
As tentativas de manipulação são tantas e tais
Quer nos diretos, quer nos telejornais
Em todos os canais
Que… quem se deixar ir em lérias
Até pensa que as mentiras são coisas sérias…
O descaramento é imenso, quase infinito
Muitos dão o dito por não dito
Muita canalha que em Portugal mora
Passa na televisão a toda a hora!

terça-feira, 18 de julho de 2017

NOITES RIJAS…

NOITES RIJAS…
Por Celso Neto

Temos um grupo já antigo
Em que cada membro é um amigo
Depois de uma “futebolada”
À segunda feira há jantarada…
É uma mistura de águias e leões
Onde não faltam os dragões

O “Rijo” é o local de reunião
Onde comemos e bebemos sem limitação
A D. Rosa e o Rijo fartam-se de sofrer
Quando o Sporting não consegue vencer
Mas somos sempre bem tratados
Mesmo quando estão tristes com os resultados…

Quem ganha a liga ou os campeões, para festejar…
Tem que “arrotar”
Com um jantar!
Hoje foi a festa da Liga feminina de futebol
E o António até trouxe cachecol…
Pagaram os sportinguistas claro está
Pela liga masculina…os benfiquistas tinham pago já
Os portistas estão de quarentena
Apenas ganharam “coisa pequena”!
Interromperam o ciclo em que ganhavam sempre
Azar do Guedes, do Pinto e do Clemente…
Eles bem queriam pagar
Mas o Porto cansou-se de ganhar…

Foi uma festa bem saborosa
De alegria e felicidade para o Rijo e a D. Rosa
Dois sportinguistas que se sentem injustiçados
Com os resultados alcançados
Na era de Carvalho e Jesus
…que tem sido uma cruz!

Este ano é que vai ser!
Ouvem-se os sportinguistas já a dizer…

Quando o Sporting ganhar a liga masculina
Há de haver foguetes e concertina…
O diabo é que o Porto também quer ganhar
O Conceição “veio para ensinar”
E o Benfica quer ser penta
E o Rui Vitória já anda a estudar a sebenta…

Os campeonatos em modo repartido
Faziam um Portugal mais colorido
Era a alegria da criançada
Que há tanto tempo não ganha nada…
Mas se o Porto e o Sporting continuarem a falhar
O Benfica é obrigado a ganhar!
De forma meia sincera meia a brincar
Lá vão os benfiquistas ter que pagar…

Mais importante que os campeonatos é a amizade
Que já tem muitos anos de idade!
E assim há de continuar
Ganhe quem ganhar!

segunda-feira, 17 de julho de 2017

TERRORISMO

TERRORISMO
Por Celso Neto

Cobardes fazedores de terrores
Estão a criar um mundo de horrores…
Sustentados pelos senhores da guerra
Espalham o pânico por toda a terra!
Admito que vivam descontentes
Mas ninguém tem direito de matar inocentes!
Os hediondos atentados
Impedem-nos de viver descansados…

Para a guerra e para a destruição
Cada um apresenta a sua razão…
Não é fácil a solução!
Mas, pelo menos, as crianças
Não podem ser sujeitas a estas matanças…
Que culpa tem uma criança
De nascer no Iraque, na Síria, em Portugal ou na França?

Um novo paradigma está a acontecer
Porque quem mata quer morrer
Morrer para matar é ser herói ou heroína
Tanto mais quanto maior for a chacina…

Vivemos num mundo “armadilhado”
Com violência por todo o lado
A paz é mantida pelo medo
Em que cada um guarda o seu segredo
Custa a compreender este “cenário”
De inteligência virada ao contrário…
O mundo que podia ser tão bonito
É um permanente “conflito”!
Espalha-se o ódio e a vingança
Com a morte de uns, outros enchem a pança…

As armas deviam ser “convertidas” em pão
Que alimentasse toda a população…
A indústria da guerra e do armamento
Devia ser varrida pelo vento
Num redemoinho que a engolisse
E a levasse para onde não mais se visse!

Trabalhar para o desarmamento
Devia ser a prioridade neste momento
Mas em vez disso faz-se o contrário
Cada um quer ser mais forte que o adversário!
Quando o adversário passa a inimigo
Compram-se mais armas para “diminuir” o perigo…

Cada um ameaça com o seu atómico arsenal
Deixou de ser miragem a destruição total!
O fanatismo religioso
Está a tornar o mundo mais perigoso…
Peço aos Deuses que metam tino
Na cabeça deste HOMEM cretino!
Que só se senta à mesa das conversações
Para tentar encontrar soluções
Depois de terem morrido vários milhões


sábado, 15 de julho de 2017

DEBATE PARLAMENTAR

DEBATE PARLAMENTAR
Por Celo Neto

O Montenegro
Parecia um labrego!
Vomitou só ódio a sua boca…
A educação pareceu-me pouca!
A Cristas arrebitada
Parecia a Rainha da Peixeirada!
Aquela língua tão comprida
Combina bem com a sua cara de fingida!
Passos, ora zangado ora murcho
Parecia muito preocupado com o discurso
Que o Maduro já tinha escrito no facebook
(Plágio autorizado, ou baixo truque?)
Telmo Correia
Foi o campeão da verborreia!
Foi a “lástima” habitual
Tanta chochice já cheira mal!

Costa pareceu-me ter saído reforçado
Com o “maldizer” da oposição… disco riscado!
Arrasou os defensores da “velha senhora
Só não gostei daquela “da operadora”…
A Catarina Martins
Fez um vistoso golpe e rins
Deu uma canelada no Centeno
Por não ter aproveitado os milhões em pleno!
Jerónimo de Sousa, como é costume
Cozinhou em brando lume…
Para defender a sua dama
Disse que é do passado que o mal emana…

A geringonça parecia
Uma sinfonia…
Afinada…sempre no tom

Deixou antever um futuro bom.

quinta-feira, 13 de julho de 2017

(Ainda) O FURTO

 (Ainda) O FURTO
Por Celso Neto

Acordei mais descansado
Acerca do material que me foi roubado…
Apesar de ter dado por falta de cinco metros de cordão
Onde estendia a roupa na arrecadação
Sinto-me mais tranquilo
Embora envergonhado de me ter acontecido aquilo…

Até porque o material que me foi roubado
É agora suspeito de não ter entrado!
O meu gato e o meu cão
Terão visto no furto a “salvação”
Para justificar a batota
De não bater a bota com a perdigota…
E ter encontrado vestígios reveladores
Nas casotas destes dois fistores!

No caso de não ter havido furto
O campo de investigação é bem mais curto!
Mas se o roubo realmente teve lugar
Ainda pode dar muito que falar…
A caducidade do prazo de validade
Vai originar uma queixa à Alta Autoridade…
Porque os ladrões não podem ser lesados
Por roubarem coisas com prazos caducados!

O meu cão e o meu gato vão ser punidos…

Já estou a ouvir os seus falsos gemidos!